Arquivo para janeiro \18\UTC 2010

Ano novo, vida nova: Será??

Depois de uma passagem de ano maravilhosa, volto à minha cidade, à minha casa, aos meus pensamentos e consequentemente a este blog.

Passei um tempo em um sitio com pessoas amigas e super animadas. Durante esses dias sentimentos e sensações diversas tomaram conta de mim: euforia, energia, animação, felicidade… Nesta viagem de passagem de ano foi como se eu despejasse toda e qualquer frustração, raiva, desgosto e cansaço no ar, que por sua vez, levou tudo pra longe de mim com a força da minha voz em forma de canto. Sim, eu cantei… e dancei, pulei, até não poder mais, até minhas pernas me obrigarem a dormir e dar-lhes um pouco de descanso. Gastei muita energia e me libertei de tudo que por um bom tempo me fez mal.

Depois retornei a São Paulo, mas aqui não permaneci por muito tempo, pois precisava recuperar minhas forças, ter um tempo sozinha, pra me entender e me encontrar. Fui à praia na casa de uma amiga mais que especial. Contei com a sua companhia e de um menino encantador, o pequeno Augusto de apenas 5 meses. Nem preciso dizer que fiquei mimando a criança até não poder mais…

Contudo, consegui reservar um tempo pra mim. Passeios solitários na praia no final da tarde admirando a imensidão daquele mar azul que permaneceu tranqüilo durante toda a semana. Praticamente não havia nuvem no céu, portanto o sol fez um belo trabalho em minha pele, que apesar de contar com muito protetor, não passou ilesa e contra minha vontade adquiriu alguma cor. Gosto de minha pele branca, mas agora também me sinto bonita com a pele um pouco mais dourada…

Enfim, foi um tempo que reservei pra mim, há quem diga que seja uma busca espiritual, mas o intuito era me colocar em ordem para que esse ano eu não me perca, não fuja nem deixe escapar meus sonhos e objetivos. 

Que sonhos? Que objetivos? De nenhuma forma pretendo fazer promessas, nem listas de coisas a fazer. Não tenho a inocente visão de que ano novo significa uma vida nova. Não é bem assim… Esse ano não é realmente novo, não dá pra começar um ano acreditando que tudo irá mudar, comparando nossa vida a um caderno, que quando acaba é só comprar um novo, em branco, sem marcas, nem historia. A vida não é assim, a cada ano que passa nós carregamos uma bagagem conosco e é simplesmente impossível jogar tudo que está dentro fora. Gosto de dizer que este é mais um dos muitos anos que tenho pela frente e que se eu quiser posso fazer ser diferente, posso e devo usar minhas experiências para não repetir os mesmos erros e fazer de tudo para crescer. Mas o mais importante é que eu não me esqueça de como eu cheguei até aqui, das pessoas que eu pude e ainda posso contar, é preciso, contudo, carregar comigo meu passado e usá-lo da melhor forma para o meu presente e consequentemente meu futuro e quem sabe me tornar uma pessoa melhor.